A Invisibilidade da Dor

Nos tempos de instantaneidade, absorvemos o comportamento do imediatismo para tudo e para todos.

Não é diferente no esporte.

Corpo e mente juntos o tempo inteiro buscando formas de ultrapassar limites. E a dor pode ser um deles.

Mas até que ponto estamos conectados com isso? Percebendo os sinais?

Quando a dor chega, somos munidos de inúmeras ferramentas para eliminá-la, mas nem sempre estamos prontos pra lidar com o tempo.

Sentir dor é parar. Parar quando nem você foi capaz de perceber essa necessidade. É observar o passado e direcionar o presente.

Estamos falando de algo não palpável. Invisível. E cavucar o tempo em busca da materialização da dor é tarefa tão difícil quanto a percepção dos seus limites.

Tudo isso em meio a incompreensão externa. É se fazer invisível também. A relação com o esporte muda. O olhar pra dentro é obrigatório. Colocar luz e tornar carne os sentimentos. Ganhar informação e liberdade, expansão e coragem.

Um caminho profundo e sem volta que te fará quebrar barreiras e te colocará inúmeros passos à frente da impercepção externa.

Na foto, um cachorro amputado; uma escalada fria de dedos congelados logo que tocaram a primeira agarra; uma escaladora com gripe de vários dias após uma reviravolta no espaço tempo pessoal; e uma cadena tentada inúmeras vezes e guardada para o depois. Lidando com o tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: