Cheia Jordana

Parafraseando Belchior: presentemente eu posso me considerar uma mulher de sorte.
Digo, em partes sorte. A outra parte foi muita vontade mesmo.

Lá atrás eu vislumbrei o que estou fazendo hoje. Pensava inocente e silenciosamente comigo:

E SE eu VIVESSE a escalada?

Será que é possível?

Será que é loucura?”

Vejam bem, no contexto em que eu estava inserida, viver a escalada parecia bem distante da minha realidade. Eu tinha uma vida comum, bem cartesiana por assim dizer. Aos 24, quando comecei a escalar, já tinha pós-graduação feita e um cargo corporativo que me dava certa segurança financeira.

Fora isso, eu nasci e cresci num lugar onde a cultura da escalada praticamente inexiste. Planalto Central, minha gente. O quê que escalador faz no plano? Hahaha Ou seja, compreender o universo desse esporte foi mergulhar no desconhecido.

O tempo passou e a escalada foi criando raízes em mim, ampliando minhas percepções. Meu modo de interagir nesse mundo mudou e eu queria viver mais disso. A pulga atrás da orelha e a formiga na minha cadeira se tornaram intoleráveis. Viver a escalada era algo visceral naquele momento, era só isso que eu queria fazer.

As questões eram muitas: “comecei a escalar muito velha, nunca vou ser boa o suficiente”, “o que eu vou fazer quando minhas economias acabarem?”, “isso é irresponsabilidade”, “ser mulher no mundo outdoor é mais difícil”, “pra onde eu vou?”, “eu vou ter parceria?”.
Mas olha, minha vontade foi e é ainda muito maior que todas essas questões aí (que até parecem meio bobas mesmo).

O verbo é MANIFESTAR. Manifestar o que você deseja experienciar. E amiga, eu entendi aos trancos e barrancos que viver a vida que você QUER já é resistência nessa sociedade.

Bom, eu pedi demissão e não tinha absolutamente nada planejado. Sei lá, eu ia pra qualquer lugar, Cipó, Canadá, tudo podia ser cenário. Na mesma semana que eu chutei o balde, um amigo me chega com essa proposta:

  • Ele: Então, a gente tá indo pra Patagônia filmar um doc de highline e climb, vc quer ir?
  • Eu: LÓGICO.
  • Ele: Mas são 9 homens. Você vai ser a única mulher.
  • Eu: Ué, vou completar o time de 10. PARTIU.

Encarei essa proposta como um claro sinal do Universo que dizia: “Vive, minha filha!” Bom, eu mal sabia montar uma parada e estava indo pra Patagônia, mas né, tudo nessa vida a gente aprende. Posso dizer que desde então eu tenho vivido sim a escalada. E essas andanças me fizeram chegar até aqui, lugar de onde escrevo essa história.

Aqui é o Colorado, EUA, dentro de uma VAN que está sendo meu lar há 10 meses. É fácil? NÃO MESMO. Nada é. Vai ter perrengue e um monte de lua minguante. Mas me diga uma coisa: se de qualquer jeito vai ter perrengue, porque eu vou viver uma vida que eu não quero ou fazer o que eu não acredito com a força da minha alma? Poisé…

E amanhã? Amanhã pode ser o que eu quiser que seja. Sigo acreditando e aprendendo cada dia mais um tanto. Kmon?

Um comentário em “Cheia Jordana

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: